A expectativa dos azulinos está nas alturas

07/05/2012

O Clube do Remo iniciou a temporada 2012 sob uma expectativa muito grande. Depois de seis meses de preparação, falava-se que esse seria o ano da virada, já que o time vinha de um ano fracassado, que o deixou fora da disputa do Campeonato Brasileiro no segundo semestre. Contudo, veio o primeiro turno do Parazão e a angústia do torcedor aumentava a cada jogo.

Com vitórias apertadas nas quatro primeiro rodadas, o Remo não convencia de que o “ano da virada” seria o de 2012 mesmo. Até que veio o inevitável: a primeira derrota. Para piorar, ela foi justamente contra o maior rival, o Paysandu, na quinta rodada do primeiro turno, por 2 a 0. Nos jogos seguintes, mais decepções. O Remo só conseguiu a classificação por uma combinação de resultados. Mas o time do técnico Sinomar Naves não teve condições de ir mais longe. Caiu para o Águia na semifinal.

Para a superação, a diretoria azulina despachou Sinomar e convocou o desconhecido Flávio Lopes. O novo treinador mudou o estilo truncado de o time jogar. Deu titularidade para três garotos das categorias base e um jogador “seu” (André).

O Remo ganhou uma nova cara e não perdeu nenhuma vez no segundo turno. Nessa trajetória, o Leão teve dois ápices: a vitória sobre o Bahia, na Copa do Brasil e, enfim, o título da Taça Estado do Pará.

Não se pode afirmar que foi uma mudança da água para o vinho, mas que a mudança trouxe melhoras à equipe, ninguém duvida. Hoje, o time inicia os 180 minutos que irão consagrar ou desmoralizar o “ano da virada”.

Veteranos e jovens valores unidos por um só objetivo: ser campeão paraense!
São os 180 minutos que irão determinar o futuro do Clube do Remo em 2012. Um resultado negativo pode significar mais um ano sem série e sem calendário no futebol até o próximo o ano. Por isso mesmo, um misto de ansiedade e expectativa rondou os azulinos essa semana.

À primeira vista, durante os treinos, jogadores não deixaram nenhum tipo de nervosismo transparecer. Pelo contrário, o clima de descontração marcou o Baenão. Aldivan tirava graça com o zagueiro Edinho; Marciano saía para passear com Joãozinho e Tiago Cametá; e Fábio Oliveira brincava nas entrevistas. “Vocês já devem estar enjoados da minha cara”, disse ele durante uma coletiva.
Sendo um dos veteranos que entrarão em campo, Fábio conta que já consegue controlar a ansiedade. “Graças a Deus tive o privilégio de participar de outras finais, então, já sei como é”- diz o atacante que pretende passar sua experiência ao grupo.

Quem não esconde o nervosismo é o atacante Reis. Cria da casa, Reis confessa que usará o vídeo-game para relaxar nas horas que antecederão a partida. Ele enfrentará sua primeira decisão estadual como profissional. “Encaramos como o jogo de nossas vidas. Queremos continuar jogando, ter calendário, então, vamos entrar determinados, para fazermos a nossa melhor apresentação do ano”, espera o garoto de 20 anos.

Entre novos e veteranos, o desejo é o mesmo. “Quando cheguei ao Remo foi para ser Campeão Paraense”, sintetiza o volante André. A torcida azulina, assim, deseja. (Diário do Pará)

Fonte: www.radioclubedopara.com.br

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.