Técnico do Remo desabafa em coletiva pela série D

22/05/2012

O técnico do Clube do Remo, Flávio Lopes, comandou o primeiro treino no Baenão desde a perda do título Paraense no dia 13 de maio. Oito dias depois do jogo fatídico, Flávio concedeu entrevista coletiva à imprensa e soltou o verbo. Primeiramente, o treinador se mostrou chateado com as notícias de que teve “folga” de uma semana. O técnico fez questão de esclarecer que foi recontratado somente na última quinta-feira, 17 de maio.

“O jogo contra o Cametá acabou e infelizmente nós perdemos. Cada jogador foi rever seus familiares e eu não tinha mais compromisso com o Remo. Só acertei com o presidente (Sérgio Cabeça) na quinta-feira e disse que só chegaria domingo. Então, quem falou que eu tinha que estar aqui na quinta-feira foi errado e mentiroso”, afirmou. O treinador também revelou que a vontade de dar continuidade ao trabalho foi o principal motivo para o retorno a Belém.

“Nesse campeonato, tivemos boas situações e a situação terrível, que foi a perda do campeonato. Mas, é preciso falar que tivemos uma recuperação muito grande no segundo turno, de um time que estava desacreditado. Isso mostra que temos um caminho. O meu retorno está condicionado a isso: eu quero dar sequência a esse trabalho”, destacou.

Contudo, Lopes também ressaltou que os bastidores do clube precisam de mais “harmonia e paz” e desmitificou qualquer tipo de racha no grupo. “Eu digo com todas as letras: foi o melhor grupo que peguei em termos de relacionamento em toda a minha carreira. Nunca tive problema e nem expulsei nenhum atleta de treino. Na minha opinião, da porta para dentro do campo é o melhor relacionamento. Nós temos que melhorar é fora (de campo). Quer mais direta que isso? Impossível, né?”, cutucou Flávio.

Tem que ser clima de Paz e Amor!
O pedido de “harmonia e paz” feito pelo técnico Flávio Lopes na coletiva de imprensa de ontem faz referência direta às brigas internas entre os diretores do Clube do Remo a respeito de renovação e contratação de jogadores.

Procurado pela reportagem do Bola, Paulo Mota, vice-presidente do clube, afirmou que o pedido do treinador foi claramente aceito e levado em consideração. “Quando recontratamos, ele realmente foi bem claro que queria paz na diretoria. Ele está certo. Porque assim não dá pra trabalhar”, concorda Mota.

O departamento de futebol do Clube do Remo sofre com divergências de ideais há muito tempo. Francisco Rosas, hoje, assistente da presidência, e Hamilton Gualberto, vice-presidente de futebol não se entendem desde o ano passado, quando Rosas ainda era diretor de futebol e Gualberto entrava na diretoria para assumir a direção do departamento de futebol.

Entretanto, segundo Paulo Mota, ainda esta semana, a presidência irá chamar os dois – Francisco Rosas e Hamilton Gualberto, para uma conversa. “Isso ficou na dependência do Cabeça (Sérgio, presidente do clube) de chamar para conversar com o Rosas e Hamilton essa semana, justamente para contornar isso, porque o problema é com os dois”, afirma o vice-presidente.

(Diário do Pará)

Fonte: www.radioclubedopara.com.br

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.