Novos atletas azulinos se preparam para a Série D

23/05/2012

O meia Ratinho, que já está integrado ao elenco azulino, concedeu entrevista ao final do treino de terça-feira (23) de manhã. Ele se diz muito satisfeito em retornar ao clube que lhe deu um Campeonato Paraense. Segundo ele, não existe diferença entre o futebol de 2008, quando pisou pela primeira vez no Baenão, e o atual. “A diferença foi só no cabelo, porque a bola do Ratinho continua a mesma de sempre, focado num trabalho e com certeza vou ajudar”, comenta, enfatizando o novo corte de cabelo, que lembra uma bola de futebol.

Além de se adaptar ao estilo de trabalho do treinador Flávio Lopes, o meia sabe que existem outros jogadores, como Betinho e Magnum, que já atuam na mesma posição, e que a disputa pela vaga de titular será boa. “Acho que todos têm um objetivo só, todo mundo se dedica ao máximo e cabe ao professor dar a escalação. Independente de quem seja, somos um grupo e estamos aqui pra somar e vamos brigar pela titularidade”.

Repatriado ao Remo depois de conquistar o título estadual pelo Cametá, Ratinho vai ter como companheiro de time o atacante Marcelo Maciel e talvez, caso os planos da diretoria se concretizem, o artilheiro Rafael Paty, ambos campeões pelo Mapará. “Nada melhor do que jogar com companheiros que você já está entrosado, mas também tem outros colegas que estão chegando e a gente tem até essa semana pra trabalhar e fazer uma boa estreia”, finaliza.

Paulinho está fora do primeiro jogo

E as novidades não param de chegar. Ontem pela manhã, quem também se apresentou ao elenco azulino foi o lateral esquerdo Paulinho, paraense de 24 anos que estreou profissionalmente na Tuna Luso, aos 18 anos, e de lá seguiu por vários clubes brasileiros, entre eles Itumbiara (GO), Juventude (RS), Ypiranga (AP), Murici (AL), CSA (AL) e Botafogo de Ribeirão Preto (SP). A pouca idade não esconde a experiência e o currículo do jogador, eleito duas vezes melhor lateral direito do campeonato Alagoano.

Agora, vestindo o manto azul marinho, ele reconhece que sente orgulho, mas que durante muito tempo não foi valorizado pelos clubes locais. “Os paraenses nunca foram muito valorizados, por isso tive a ideia de sair, fazer testes e nessa eu tive a oportunidade de começar mesmo a minha carreira”, admite o atleta, que não esconde a felicidade por ele e pela família. “Não só eu, como toda minha família. Tive que sentar com eles e eles acharam melhor eu ficar aqui, já que passei três anos fora”.

Terminados os exames médicos, o jogador já está apto a iniciar os treinamentos com o time, mas sabe que não tem condições de disputar a partida de estreia contra o Vilhena. “Tô parado há 20 dias. Não posso dizer que estou 100%, para quando chegar na hora não estar. Então, eu vou trabalhar com o técnico para entrar quando estiver em condições pode ajudar o time”, garante. A última partida disputada por Paulinho foi no dia 1º de abril, pelo Murici, de Alagoas, pelo Campeonato estadual.

No Remo, segundo ele, a torcida pode esperar um jogador ofensivo, que cobra falta e penalidade, mas carece um pouco na marcação. Entretanto, se depender da empolgação de vestir o manto azulino, Paulinho diz que já queria estar em campo. “Estou muito feliz, a minha vontade era de chegar logo hoje (ontem) e treinar para quando chegar nos jogos colocar o Remo na Série C”, finaliza.

Treinos tranquilos demais. E o coletivo, professor?

O segundo dia de treinos do Leão Azul sob o comando do técnico Flávio Lopes foi bastante tranquilo. Apesar de ter jogadores entregues ao Departamento Médico próximo à estreia na Série D, o que mais tem chamado a atenção de todos pelo Baenão são as novas contratações que desembarcam na Toca do Leão.

Pelo visto, vem mais gente para somar no elenco azul marinho, como pode ser o caso do artilheiro do Parazão Rafael Paty. O zagueiro Petroni Santiago, com passagens pelo futebol carioca, também estava prestes a ser confirmado no Leão.

Sem espaço para entrar nas especulações, o técnico promoveu apenas um treino físico leve na areia. Só três jogadores foram para o gramado realizar atividade mais específica. Ratinho, Edinho e Jamilton estiveram aos cuidados do preparador físico do clube, Benedito Gambôa, mas nada de parte tática ou técnica. Há cinco dias da estreia do time na Série D, diante do Vilhena, em Rondônia, alguns jogadores ainda não se apresentaram no Baenão, caso do lateral direito Dida, recém-contratado que estava no Crac de Catalão (GO).

Alguns jogadores ainda seguem sob os cuidados dos médicos do clube. Diego Barros, que sofreu uma lesão na coxa, está oficialmente fora do jogo de domingo, segundo o próprio médico azulino Gilberto Wanzeller. “O Diego, quando iniciou o treino, durante um pique, sentiu uma dor na parte posterior da coxa (…)”, disse, seguindo: “O exame de imagem mostrou que ele sofreu uma distensão com formação de hematoma no local, portanto, ele está fora do jogo”, garantiu o médico.

(Diário do Pará)

Fonte: www.radioclubedopara.com.br

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.