Saiba tudo sobre as eleições do Clube do Remo na noite de hoje

06/12/2012

 

Começa hoje na Sede Social do Clube do Remo a tão esperada eleição que vai definir quem vai presidir o Leão Azul no biênio 2013/2014.

A eleição promete ter início às 19h e encerrará às 21h com apuração imediata. Os candidatos, que ao longo de suas campanhas tiveram uma postura firme, porém de respeito mútuo, mantém o discurso de que o Clube do Remo precisa se modernizar.

Sérgio Cabeça afirma que caso seja eleito, promete uma gestão mais estabilizada financeiramente, pois já saneou metade da divida trabalhista que estagnava investimentos fundamentais para o andamento de contratações de peso para o elenco e problemas relacionados a salários atrasados do efetivo do clube.

Roberto Macedo, candidato da oposição, aposta no discurso da valorização da base e construção do CT do clube. Enfatiza a criação de uma gestão profissional capaz de reerguer o orgulho de ser remista. Fazendo jus ao nome da sua chapa: “Profissionalização”. Considera o fato de assumir o Remo uma responsabilidade ímpar e não um hobby.

Manoel Ribeiro e Raphael Levy no Condel

Na noite de hoje, duas eleições serão feitas na Sede Social do Clube do Remo: uma para a presidência do Condir (Conselho Diretor) e outra para a mesa diretora do Condel (Conselho Deliberativo). A principal é a do Condir, entretanto, ele só pode iniciar a partir da eleição do Condel, já que os conselheiros eleitos são os que comandarão o pleito.

Pelo estatuto que rege o clube, cada chapa tem o direto de indicar seus candidatos para o Condel. Esse ano, porém, apenas a chapa de Sérgio Cabeça e Zeca Pirão apresentaram nomes. A situação decidiu pela permanência do atual presidente Manoel Ribeiro e nome de Rafael Levy apareceu como vice-presidente. Mesmo havendo apenas um candidato, todos os conselheiros terão que votar. É o que explica o próprio Rafael Levy. “Não existe aclamação no Clube do Remo. Só tem uma chapa, mas todos os conselheiros terão que votar normalmente. Dizem que a outra chapa (Roberto Macedo e Max Junior) não apontará nomes em homenagem ao Manoel Ribeiro”, esclarece Levy.

Portanto, Manoel Ribeiro será reeleito para permanecer no cargo por mais dois anos. Ribeiro, no entanto, não estará presente na sede. Ele se recupera de um grave acidente automobilístico ocorrido no início do mês passado. “Ele já falou que só vai ter condições de voltar a presidir dentro de aproximadamente 30 dias. Está fazendo fisioterapia. Nesse tempo, eu serei o responsável pelo Condel”, conta Raphael Levy, que garante: a principal ação dos conselheiros em 2013 será a aprovação do novo estatuto. “Vamos acelerar a reforma do estatuto que está sendo feita e em um curto espaço de tempo aprová-lo para já termos eleições diretas na próxima eleição”, afirma.

Sérgio Cabeça quer o seu segundo mandato no Remo 

Mais um dia decisivo para a torcida azulina, que dessa vez, vai acompanhar de forma bem distante e sem poder interferir no desenrolar das atividades. Sem torcida gritando nas arquibancadas, o Remo decidirá seus rumos nos próximos dois anos no salão do clube na Avenida Nazaré, onde será realizada a eleição para presidente do Conselho Diretor do clube.

De um lado, Sérgio Cabeça Brás toma a frente de uma chapa mais uma vez nominada Seriedade e Reconstrução, nome pelo qual foi eleito em 2010. Cabeça desta vez vem acompanhado de Zeca Pirão como seu vice. Pirão é um nome novo na política azulina, embora seja conhecido da política da Câmara Municipal de Belém, onde foi eleito vereador esse ano e já cumpriu outros mandatos.

Seu opositor, Roberto Cavaleiro de Macedo, vem com uma chapa cujo nome é também seu mote: “Profissionalização”. Acompanhando Roberto está Max Fernandes Junior, nome não apenas novo, mas também jovem. Aos 39 anos, Max é o sopro de juventude nas eleições azulinas, marcadas por um sistema arcaico de votação fechada e por um grupo de candidatos e votantes predominantemente de idade avançada.

Presidente quer zerar as dívidas

O atual presidente azulino Sérgio Cabeça Brás tem 65 anos, quase 50 deles vividos junto ao Clube do Remo, onde foi atleta de basquete a partir de 1964. Engenheiro de formação, Cabeça já havia assumido diversos cargos dentro do clube, como diretor de futebol, presidente do Conselho Deliberativo e presidente de junta governativa antes de sua eleição em 2010, ocasião em que derrotou o grupo liderado por Henrique Custódio.

Vencedor do último pleito, Cabeça teve uma primeira gestão marcada pelos insucessos no futebol, carro-chefe do clube, mas alega que sua administração conseguiu realizar um profundo saneamento nas economias do clube e no setor jurídico. “Quero terminar o trabalho de saneamento do clube. Ao final de meu segundo mandato, teremos a dívida do clube zerada”, promete Sérgio.

Para o próximo mandato, ele ambiciona a profissionalização dos diversos setores do Remo e uma retomada do investimento na estrutura. “A partir do momento em que tiramos o clube da situação de dívidas incontroláveis, é o momento de voltar a levar o Remo ao seu lugar de grandeza. Não só no futebol nacional, mas também como clube”, define Sérgio que estabelece como meta ainda para 2013 o acesso à Série C do Brasileirão.

Seu candidato a vice tem um passado no clube, onde foi jogador de futebol amador e atendia pelo nome de Zé Wilson. Mas nos bastidores azulinos, Zeca Pirão é um novato. A convite de Cabeça, aceitou o desafio de emprestar sua experiência como administrador, sua área de formação, e seu prestígio político para o clube. “Desde o convite estamos reunindo constantemente com a direção e eu já apresentei alguns potenciais parceiros, que só estão aguardando o fim da eleição”, afirmou o candidato a vice.

O PRIMEIRO EM 18 ANOS?

Desde que Raimundo Ribeiro foi reeleito presidente para o biênio 1994/1995 nenhum presidente azulino renovou mandato.

Macedo não é exatamente um candidato novo no Remo

O médico Roberto Hesketh Cavaleiro de Macedo tem 74 anos, cerca de 50 deles ligados ao Remo. Representa um outro período da história do clube de Periçá, quando o futebol de base e os atletas regionais eram mais valorizados. Ex-diretor de esportes amadores, futebol amador e profissional, gaba-se de ter ajudado a formar diversos atletas na base azulina, dinâmica que ele tem como meta retomar no Clube do Remo, afinal “time sem futebol amador não tem alma!”, ele define.

Apesar de alguns anos afastado dos bastidores, Roberto nunca deixou de torcer pelo clube e se diz espantado com algumas situações que encontra atualmente. “O Remo tem um excelente preparador de goleiros que é o Edson Cimento, mas a cada troca de comando trás uma nova comissão técnica junto. Para um clube nas dificuldades financeiras que nos encontramos isso não tem cabimento”, cita.

Roberto, tal seu adversário Cabeça, não apresenta a relação de nomes para assumir cargos de diretoria em caso de vitória nas eleições, mas cita que pretende criar alguns postos novos dentro da estrutura do clube. “Vamos criar uma departamento feminino do Clube do Remo e pretendemos inserir outras estruturas para renovar a feição do clube” assegura o candidato.

Sobre seu vice, Max Fernandes Junior, ele afirma que representa a renovação do clube. “Estou preparando o Max para dirigir o Remo no futuro” define Macedo. O candidato relembra que a transição é necessária pois os atuais dirigentes no clube não estarão aí pra sempre. “Lembro-me de quando eu era jovem e queria ajudar o clube mas não conseguia espaço por conta dos dirigentes da velha guarda que não abriam espaço. Não quero que isso aconteça com gente da geração do Max” afirmou.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.