Um retorno quase perfeito de Iarley

28/01/2013

  

Até os 17 minutos do segundo tempo, o Paysandu perdia o jogo por 1 a 0, mas seguia com um leve domínio de bola, sem, no entanto, conseguir objetividade suficiente para empatar. Foi quando Lecheva tentou uma cartada: tirou um volante, Ricardo Capanema, e enfiou um terceiro atacante. Era chegada a hora de Iarley, o eterno ídolo bicolor, pisar novamente no gramado que o consagrou.

“Eu não tinha dúvida que ia fazer uma boa apresentação. Queria contribuir de alguma forma, ou com gols ou lances”, destaca, sem esquecer que para uma vitória, o Papão deixou a desejar no quesito finalização, para sobrepor a armação. “Eu acho que o Paysandu pensou muito mais em fazer o 2º gol do que preparar o lance para fazer o gol. Acelerou um pouco a bola, desguarneceu a marcação e acabamos tomando o gol”, explica, sem esquecer de dar um pitaco no estado do gramado, encharcado pela chuva.

“A gente lamentou muito o momento que chegamos no estádio, em que começou a chover, foi uma tristeza, porque o Paysandu tava preparado, com um time tecnicamente bom, e com essas condições erramos muitos passes, o que normalmente a gente não erra”, encerrou.

Bicolores não aceitam derrota

A maneira como o clássico foi decidido parece não ter sido aceita por parte dos jogadores do Bicola. Até porque, a realidade dos 90 minutos parecia favorecer mais o Paysandu do que o Remo, este unicamente mais oportunista, fato que até os atletas mais experientes do Papão tiveram de admitir.

“Com todo respeito ao Remo, mas vi um time na base do chutão, apenas usando o contra-ataque, só que eles tiveram competência, porém, com todo respeito ao Remo, nosso time é superior”, disse Vanderson.

Mas, entre outros fatores, o verdadeiro temporal que desabou sobre a cidade minutos antes da partida, teve participação decisiva segundo os atletas. “O gramado ficou prejudicado. Estava muito ruim, escorregadio e com muita lama”, comentou o meia Eduardo Ramos, que pediu mais maturidade ao elenco.

“Jogamos muito bem, principalmente no segundo tempo mas faltou um pouco mais de maturidade, de experiência, não podemos tomar um gol de contra-ataque no final do jogo, e isso tudo serviu de lição para levarmos para os próximos jogos”, reiterou Ramos.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.