Iarley estreou bem e disputa vaga no time do Papão

29/01/2013

 

É difícil perder um clássico. Quando se tem uma partida da magnitude do Re-Pa, o Estado inteiro se agita e dá contornos especiais ao jogo mais disputado do Brasil. Uma semana antes, nada mais importava além do duelo de gigantes da capital. Depois dos 90 minutos, um lado comemora, enquanto outro se entristece. Coisas do futebol. E com os bicolores, não faltou maturidade para admitir que algo não deu certo, principalmente para os atacantes.

“Eu acho que, no geral, a equipe sentiu muito o gol que tomamos no início. Esse gol que sofremos mobilizou a equipe, a todo custo, para buscar o empate. Isso desestabilizou um pouco a criação. Sem contar também com o gramado, que não estava bom, mas isso, foi o de menos”, arrisca do atacante João Neto. A temida dupla de ataque não rendeu o esperado, mas ao menos lavou a alma com o gol de Iarley, a grande referência adotada pelos companheiros.

“Fiquei muito feliz do Iarley ter estreado nesse jogo, e entrar e fazer o gol. Sei o quanto é bom entrar dessa maneira, e na idade que ele está, eu também me vejo assim, estreando e fazendo gol”, reitera o artilheiro do time, empatado agora com Rafael Oliveira, Val Barreto e Elielson, cada um com quatro gols. Mesmo com Iarley estreando com o pé direito, João acredita que não há maiores problemas quanto à disputa no ataque, e o fato de não ter rendido o esperado, não tira o mérito do trabalho desenvolvido junto aos companheiros.

“Briga por vaga é uma coisa que sempre vai existir no futebol. Não tenho nenhum problema quanto a isso, nem com ele e nem com o Rafael. Vou procurar manter o meu espaço, mas se o Lecheva optar por dois ou três atacantes, o importante de tudo é o profissionalismo”, encerra João.

EM FOCO

CAMPANHA SOLIDÁRIA

Está circulando nas redes sociais uma campanha para ajudar o pequeno Vinícius, em tratamento contra Leucemia. A ação solidária conta com o apoio do Paysandu. Devido à quimioterapia, a criança contraiu uma infecção que o obriga a tomar um remédio que custa R$ 1.200, a caixa. Quem puder ajudar, qualquer quantia será bem-vinda. Banco do Brasil: Tamara Pereira, Agência: 1436-2 C/C: 39288-X.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.