Remo precisa lidar com quatro desfalques

25/04/2013

 

Surto de virose, punição no Tribunal Justiça Desportiva do Pará e suspensões por cartões amarelos. Com tantos problemas de última hora para o Re-Pa decisivo da semifinal deste sábado, o técnico do Remo, Flávio Araújo, claro, não podia ficar feliz. “Recebi ontem à noite a notícia que o Branco (atacante) também não poderia atuar por conta da punição. São quatro desfalques consideráveis às vésperas de uma decisão e isso é muito ruim. Por mais que sempre estejamos falando em grupo, na força dele, são jogadores que vinham jogando, com ritmo de jogo e mais entrosado com a equipe”.

Os desfalques e o tratamento  do zagueiro Henrique e do volante Nata podem atrapalhar a intenção do treinador de manter o esquema tático do 3-6-1, que surpreendeu a todos no último sábado, mas que acabou dando certo, com a vitória azulina por 2 a 1. Ontem, pela primeira vez, o treinador comentou a respeito do novo sistema adotado. “Tivemos dois alas bem atuantes (Alex Juan e Endy) e o Nata, no meio, se posicionando bem. O time jogou muito bem. Isso provou que muitas vezes que aquela teoria ‘ah, ele colocou três volantes, vai jogar na retranca’, depende da maneira como o time é distribuído. Foi isso que fizemos”.

No treino de ontem, mesmo afirmando que pensa em mudar para o 4-4-2, Flávio passou a maior parte do tempo no 3-6-1. O atacante Leandro Cearense foi quem começou sendo o centroavante, porém, gripado, acabou deixando o treino mais cedo e dando lugar para Fábio Paulista, antigo titular.

O time titular de ontem: Fabiano; Alan Peterson, Yan e Zé Antônio; Endy, Gerônimo, Jhonnatan, Ramon, Diogo Capela e Alex Ruan; Leandro Cearense (Fábio Paulista).

Com um ou os dois pés atrás

A três dias do Re-Pa decisivo da semifinal, o técnico azulino Flávio Araújo conseguiu comandar o primeiro coletivo/tático da semana. Desde o último sábado, Araújo vem sofrendo com a forte virose espalhada pela atmosfera da cidade. Por recomendações dos médicos azulinos, Flávio não comandou os treinos de segunda e terça-feira. Mas, ontem, Flávio Araújo voltou a pisar no gramado do Baenão e uma outra dor de cabeça, dessa vez não proporcionada pela gripe, incomodou o treinador: escalar ou não escalar os jogadores das categorias de base na vaga dos desfalcados do time, justamente no momento mais importante para o Remo até aqui? Afinal, uma derrota para o Paysandu pode significar praticamente adeus ao projeto 2013.

“Veja bem: quando você quebra a cabeça porque tem muitas opções é uma situação. Quando você quebra a cabeça por poucas opções é uma situação totalmente diferente. Zagueiros, nós temos três: o Alan (Perteson, que também atua como volante), o Yan e o Gabriel, que são oriundos das categorias de base do clube e são promissores, mas nunca jogaram um jogo todo (nesse campeonato), não sabemos como está o emocional desses garotos e é um jogo decisivo, uma grande final já. E você fica analisando com que escalação entra em campo”, avalia o comandante.

Os defensores Carlinho Rech e Mauro são os desfalques do setor. Por isso, Flávio adiantou que estuda a possibilidade de alterar outra vez o esquema da equipe:em vez do 3-6-1, o 4-4-2. Ontem, inclusive, o treinador dividiu os dois esquemas em cada um dos tempos do coletivo. “Podemos, sim, mudar nossos sistema pelos problemas que estamos enfrentando”, afirma Araújo.

Alan e Ramon estão de sobreaviso 

A dor de cabeça do técnico Flávio Araújo não se resume aos garotos das categorias de base do Clube do Remo. O zagueiro Henrique e o volante Nata, titulares no último jogo, estão se recuperando de contusão e ainda não treinaram esta semana. Ontem, os dois foram substituídos por Alan Peterson e Ramon (já recuperado da gripe), respectivamente. Flávio Araújo aguarda até as vésperas do clássico para saber a posição do departamento médico.

A probabilidade de ambos jogarem é grande, porém, se um imprevisto de última hora aparecer, Alan e Ramon estarão à disposição, inclusive, já entrosados com a equipe. “Fizemos um trabalho tático hoje (ontem) bem proveitoso. Se o Flávio optar por mim, eu já sei o que fazer ao lado dos zagueiros”, afirma Alan, que se diz confiante para entrar no Re-Pa. “Já tive oportunidade de entrar no Re-Pa do passado, o que já passa mais tranquilidade”.

Já o meia Ramon, sempre polêmico, fala em agarrar a oportunidade que o treinador azulino está lhe dando e “provar que tem condições de vestir a camisa do Remo”. “Espero que continue entrando nos jogos e ganhe meu espaço. Sempre converso com o elenco e recebo apoio de todos meus companheiros. Todos tiveram sua oportunidade como titular e agora estou tendo a minha. Mexeram comigo, mexeram com homem. Agora quero provar que sou capaz de jogar no Remo. Sei que posso”, desabafa.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.