Remo ainda vive de esperanças remotas

06/05/2013

 

O que acontece quando todas as esperanças e expectativas de um time para a temporada se concentram no resultado de uma partida e esse resultado não vem? Acontece um filme que a torcida azulina não aguenta mais ver. De 2008, quando foi rebaixado à Série D, para cá foram seis temporadas. Em todos os anos ímpares o Remo não garantiu vaga para o Brasileiro e ficou sem calendário para o segundo semestre.

Em 2009, o algoz foi o São Raimundo, vice-campeão paraense. Em 2011, o Independente, campeão do estado. Neste domingo, o Paragominas acrescentou seu nome à relação. Se o roteiro seguir com fidelidade o transcorrido em outras temporadas, muito provavelmente o que restará ao torcedor será acompanhar esporádicos amistosos com seleções do interior do estado para fazer caixa e manter o clube movimentado.

ELENCO

Mas o que será feito daqui em diante? Embora ainda hajam remotas chances de conquistar a vaga na Série D, própria direção do clube prefere não contar, no momento, com o imponderável. A partir desta segunda-feira, a direção deve começar a reunir para definir a situação contratual de cada atleta. O desmanche do grupo parece inevitável.

Como boa parte do elenco foi montado com contratos curtos, o destrato amigável deve ser a via para a maioria dos casos e os interesses de outros clubes em atletas com contrato mais longo devem ser levados em séria consideração, pois as perspectivas de fazer caixa com o futebol esta temporada são bastante reduzidas.

O único compromisso ainda previsto para o calendário azulino é um torneio amistoso organizado por um canal de televisão por assinatura envolvendo ainda Paysandu, Flamengo e Vasco. “Vamos discutir nessa segunda-feira como devemos proceder com o elenco para participar desse torneio. É um compromisso que o clube assumiu e vamos honrá-lo”, disse o presidente Sérgio Cabeça.

Existe luz no fim do túnel?

Atualmente, duas federações não indicaram representantes para o Campeonato Brasileiro da Série D – Acre e Rondônia. Caso os times que obtenham a vaga desistam de disputar a competição, e a federação não indicar substitutos, a vaga de uma dessas federações iria para a federação paraense – a melhor ranqueada – e o representante seria o Remo, terceiro colocado do Parazão.

Essa esperança, no entanto, é bastante remota pois com as despesas de transporte pagas pela CBF se tornou bastante incomum um clube desistir da vaga.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.