‘Inspirado’, Neymar joga pela nação e ganha nova música no Castelão

20/06/2013

Camisa 10 cumpre promessa feita horas

antes do jogo em rede social, entra em

campo endiabrado contra México e tem

sua melhor atuação na era Felipão

 

Há muito tempo a Seleção não era tão brasileira como nesta quarta-feira. A onda de protestos que tomou o país chegou ao time canarinho, que, em campo, parecia jogar por um Brasil melhor. Na véspera do jogo contra o México, Felipão falou que a equipe era do povo. E coube a Neymar, hoje o maior ídolo do futebol nacional, representar não somente os mais de 50 mil que foram ao Castelão, mas toda uma nação em campo.

Ao fim do jogo, a consagração aconteceu da forma mais calorosa: Neymar foi ao povo, e o povo foi a Neymar. O craque, após o abraço na mãe nas arquibancadas, caiu também nos braços do público que o reverenciou. Essa interação já havia acontecido horas antes da vitória por 2 a 0 sobre o México, quando, em uma rede social, o camisa 10 se posicionou a favor das manifestações pelo país e afirmou que a onda de protestos o faria entrar em campo mais inspirado. Dito e feito. Neymar parecia possuído.

Endiabrado, fez de tudo: chamou os mexicanos para dançar, regeu a torcida, arrancou, inventou drible, chapelou com o peito, chapelou com o pé, deu passes, assistência, marcou um golaço de canhota e ganhou até música inédita das arquibancadas. De quebra, ainda se isolou na artilharia da nova era Felipão, nessa que, certamente, foi sua melhor atuação sob o comando do treinador. Agora são cinco gols em noves jogos.

Pode até parecer estranho, mas há pouco tempo Neymar estava longe de ser unanimidade em uma partida. Por mais que fizesse gol ou tivesse boa atuação, a torcida se dividia entre aplausos e vaias. Aliás, no empate por 2 a 2 com o Chile, em abril, no Mineirão, ele viveu seu pior momento, sendo até hostilizado.

– Ah, o que é ruim a gente esquece. Deixa para trás. Fiquei muito feliz de ter ouvido meu nome. É sinal de que estou conseguindo ajudar a seleção brasileira. Mas não seria nada sem a equipe. O fato de o time ter jogado bem, facilita demais – disse Neymar, autor de dois gols até aqui na Copa das Confederações.

Neymar torcida Castelão festa Brasil (Foto: Getty Images)
Neymar vai ao povo, e o povo vai a Neymar: craque leva torcida à euforia no Castelão (Foto: Getty Images)

Nesse processo de transição das vaias para os aplausos, o atacante do Barcelona contou com o apoio total e incondicional de Felipão. O técnico da seleção brasileira apoiou em todos os momentos Neymar. Disse que ele jogou bem mesmo quando criticado pela torcida, ressaltou sua importância tática e o rotulou como “pronto para a Copa do Mundo”.

Na base da paciência, Neymar evoluiu aos poucos depois de ficar nove jogos (contando seleção brasileira e Santos) sem fazer gols. E agora, como artilheiro da era Felipão, com cinco gols, ele ostenta a marca de único jogador que foi titular em todas as nove partidas sob o comando do treinador, desde fevereiro deste ano.

Craque precisa de um minuto para conquistar a torcida

Último a entrar em campo, Neymar parecia pressentir que seria uma tarde especial. Na hora do Hino Nacional, viu a torcida cantar a todo pulmão, mesmo quando o sistema de som do Castelão encerrou a execução. Melhor em campo nos dois primeiros jogos da Seleção na Copa das Confederações, Neymar ressaltou a importância da força da voz do povo na hora da canção.

– Motiva muito mais. Deixa todo mundo emocionado – finalizou o craque.

E bastou apenas um minuto de bola rolando para o camisa 10 provar que a inspiração não era da boca para fora. Pela esquerda, fez gato e sapato de Mier e cruzou para Fred, que não alcançou. Após o lance, que já havia levantado a torcida, Neymar se virou para a arquibancada e, com os braços, pediu apoio. Se alguém tinha alguma dúvida de que os cearenses estavam ao lado da Seleção, ela acabou naquele momento.

Neymar comemoração gol Brasil México (Foto: Getty Images)
Endiabrado, Neymar comemora o gol que abre caminho para vitória no Castelão (Foto: Getty Images)

Em total sintonia com o torcedor, Neymar e Seleção seguiram pressionado o México. E aos nove, o flerte entre o camisa 10 e os brasileiros virou casamento. Após cruzamento de Daniel Alves, Neymar acertou um lindo chute de canhota sem deixar a bola cair e marcou um belo gol.

Nova canção

Nas arquibancadas, os gritos de “Brasil” se misturaram aos de “Neymar”. O craque retribuiu comemorando próximo aos torcedores. Foi aí que a torcida colocou um tempero cearense com a adaptação da música que torcedores do Fortaleza costumavam cantar para o atacante Clodoaldo, que fez história do futebol local no início da década passada.

– Uh, terror, o Neymar é matador!

Neymar comemora, Brasil x México (Foto: André Durão)
Depois da jogada sensacional para o gol de Jô, Neymar vai ao delírio com a torcida (Foto: André Durão)

A partir daí, foi exatamente como Felipão cobrou na véspera da estreia na Copa das Confederações contra o Japão: “Protejam o Neymar.” Qualquer falta sofrida, passe, chute a gol ou até mesmo uma simples cobrança de escanteio era motivo para o Castelão inteiro se jogar aos pés do atacante. Bastou o árbitro inglês Haward Weeb repreender o atacante por uma falta cometida para ouvir uma sonora vaia e até palavrões dos brasileiros.

A cereja do bolo veio nos acréscimos. Pela esquerda, Neymar entortou dois adversários e cruzou na medida para Jô selar a vitória por 2 a 0 sobre os mexicanos. À beira do campo, um Felipão alucinado. E nas arquibancadas, uma torcida aos pés de Neymar.

Fonte: www.globoesporte.com

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.