Jogadores comemoram volta à copa do Brasil

21/06/2013

 

A última cartada foi certeira e decretou de uma vez por todas, ao menos na esfera esportiva, o retorno do Paysandu à Copa do Brasil 2013, na vaga antes pertencente ao Naviraiense (MS), para enfrentar o Atlético (PR), na terceira fase do torneio.

Em julgamento realizado na tarde de ontem (20), na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Fortaleza (CE), o pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), julgou irregular a escalação dos atletas Luiz Cláudio “Bahia” e Paulo Sérgio, que enfrentaram os bicolores com contrato vencido.

Ambos estavam sem vínculo com o clube sul-mato-grossense desde o último dia 7 de maio, 24 horas antes da primeira partida. Como os nomes não constavam no Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a secretaria do Paysandu decidiu investigar e foi a responsável por reunir as provas para a ação.

O diretor jurídico bicolor, Alberto Maia, garante que na instância esportiva não cabe mais recurso. “O recurso foi julgado no pleno e vencemos por 8 votos a 1. Não há mais a possibilidade de recorrer da decisão do pleno”, explica.

Antes de vencer no pleno, o Paysandu perdeu duas audiências, a primeiro no dia 22 de maio, diante da terceira comissão da corte, e a segunda em 10 de junho, perante a primeira, garantindo ao Naviraiense multa de R$ 3 mil. Em seguida, a procuradoria do STJD e o departamento jurídico bicolor entraram com apelação sobre as duas absolvições.

Diante de nove auditores, por 8 a 1, o Naviraiense foi enquadrado no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, sob a acusação de “incluir na equipe, ou fazer constar da súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar de partida”.

Revoltado com o resultado, o presidente do Naviraiense garante que o clube não vai acionar a Justiça Comum e que irá dispensar os atletas. “Não temos mais jogos neste ano. Não sei nem se o Clube Esportivo Naviraiense vai existir no ano que vem”, lamenta Diomedes Cerri.

As partidas contra o Atlético estão marcadas para os dias 18 e 25 de julho, nas cidades de Belém e Curitiba, respectivamente. A CBF deve ajustar o calendário para não coincidir com a tabela da Série B.

Notícia inesperada caiu como um presente

No início da tarde de ontem (20), os jogadores do Paysandu apenas repousavam à espera de mais um período de trabalho, em Belém. Enquanto isso, em Fortaleza (CE), o departamento jurídico tentava recolocar o clube na Copa do Brasil.

Quando o treino começou, os bicolores, massacrados pelo calor da tarde, receberam uma notícia inesperada: a confirmação da volta à Copa do Brasil. A surpresa foi a primeira reação, seguida de comemoração, incluindo danças e coreografias por parte dos atletas.

“É muito bom. Nos dois últimos julgamentos não conseguimos a vaga e esse nos pegou de surpresa, completamente. Isso nos dá mais motivação para treinar forte. Foi inesperado receber essa notícia, confesso, mas agora vamos pensar na Série B e Copa do Brasil. Espero que essa maré de sorte volte para o nosso lado”, vibra o lateral direito, Yago Pikachu.

A informação alegrou o restante da tarde. Mas, não há como descartar o aumento da responsabilidade, sobretudo pela incômoda posição na série B. “A gente recebeu a notícia na hora do treino e ficamos felizes. Apesar dos últimos resultados não terem sido favoráveis, tentamos descontrair para tornar a nossa atividade cada vez melhor”, acrescenta o zagueiro Raul, em sintonia com o nível das equipes a partir da terceira fase.

“Voltar para a Copa do Brasil é ver somente equipes com nível de Série A. É importante o Paysandu se manter entre elas. Perdemos alguns jogos da Série B, mas jogando bem. Agora é ter tranquilidade, que o resultado sai”, conclui.

Intertemporada já estava certa, mas gerente de futebol reprovou gramado do estádio de Macapá

O que estava tudo certo, repentinamente foi cancelado. A diretoria bicolor cancelou a intertemporada de sete dias, em Macapá (AP), e o elenco bicolor deverá permanecer em Belém até o dia 2 de julho, quando volta a jogar pelo Campeonato Brasileiro da Série B, contra o Guaratinguetá (SP), em Belém.

A princípio, foi o próprio presidente do clube, Vandick Lima, o responsável por conhecer as instalações do Santos do Amapá, clube responsável pela ida do Paysandu ao estado vizinho. De volta a Belém, o acordo foi feito: seriam sete dias por lá, o suficiente para fazer treinos e dois amistosos, contra o Santos e o São Paulo, equipes locais.

Mas, o gerente executivo de futebol, Oscar Yamato, ficou encarregado no início desta semana de conhecer melhor a estrutura do local, para fazer uma avaliação e resolver qualquer pendência.

Quando chegou ao possível destino do Papão, Yamato foi surpreendido. “Realmente eu gostei da estrutura de trabalho. Existe total condição para que possamos realizar uma boa semana, mas o empecilho maior é o gramado do estádio (Glicério Marques), onde nós teríamos que fazer dois amistosos para que eles possam arrecadar verba para cobrir as despesas extras”, explica.

Segundo o diretor, não há qualquer possibilidade de realizar amistosos, o que, somada à distância e a viabilidade de acesso, se torna o suficiente para cancelar a viagem. “Estou sendo sincero. Não há como realizar um jogo amistoso, pois o mesmo está danificado e precisa de um tempo para ser recuperado”.

A notícia agradou alguns atletas, como o atacante Marcelo Nicácio. “Essa notícia de que a gente não vai mais para Macapá foi excelente. Eu acho que não tinha necessidade de viajar, pois aqui temos condições suficientes. Foi importante essa atitude da diretoria com a comissão”, ressalta.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.