Jogos e viagens em excesso prejudicam Paysandu

19/11/2013

 

Foto: Mário Quadros/Diário do Pará

Diante do placar de 2 a 1 para o Verdão, o jogo entre Icasa-CE e Paysandu na noite da sexta-feira (15) não teve um fim positivo para as pretensões bicolores contra o rebaixamento à Série C, em 2014. Porém, a partida foi marcante por ter registrado o primeiro protesto dos atletas do movimento Bom Senso F.C no Campeonato Brasileiro da Série B. Após o apito do árbitro, os jogadores do Papão e do Verdão do Cariri ficaram 30 segundos de braços cruzados contra o número excessivo de partidas e pela desorganização do calendário do futebol brasileiro.

As mobilizações dos jogadores iniciaram na quarta-feira (13), data que vai ficar marcada na história do futebol brasileiro. Enquanto os jogadores do Paysandu se preparavam para sua 18ª viagem neste Campeonato Brasileiro da Série B e 64ª partida oficial nesta temporada, os atletas de Grêmio e Vasco, Goiás e Ponte Preta entraram em campo com faixas exibindo a frase: “Por um futebol melhor para todos”. Logo após o árbitro apitar o início da partida, os jogadores cruzaram os braços por 30 segundos em protesto organizado pelo Bom Senso F.C, movimento que luta pela diminuição do número de partidas e uma melhor organização do calendário do futebol nacional, entre outras pautas.

Os atos se repetiram no início dos jogos realizados às 21h entre Criciúma e Atlético-PR e Botafogo e Portuguesa, com os mesmos dizeres nas faixas. Nos jogos das 21h50, todos transmitidos em TV aberta, as faixas mudaram de frase: “Amigos da CBF, e o Bom Senso?”, exclamavam claramente contra a Rede Globo e os patrocinadores do Campeonato Brasileiro da Série A. Na Série B, os protestos ocorreram no jogo entre Palmeiras e Boa Esporte, no sábado (16), assim como já tinha acontecido na sexta-feira (15), no duelo entre o Icasa e o Paysandu.

QUADRO DIFÍCIL

A mobilização dos jogadores do Papão chamou a atenção da reportagem do DOL sobre os problemas sofridos pelo elenco alviceleste nesta Segundona. Além de ser a equipe que mais viaja, o número exaustivo de partidas ao longo de 2013 também parece ter contribuído muito com os resultados negativos e o desempenho abaixo da média de alguns atletas.

Somente em 2013, somando as 22 partidas disputas do Campeonato Paraense, as seis na Copa do Brasil e as 38 a jogar na Série A, somam para o Bicola 66 jogos oficiais, número considerado alto pelo movimento Bom Senso F.C, que se baseia no Chelsea, da Inglaterra, time que joga no máximo 56 partidas por ano.

O grande número de jogos oficiais – geralmente dois numa mesma semana -e as viagens diminuem o desempenho do elenco bicolor. Esta é a opinião do fisiologista do Papão, Adriano Lima. “A literatura básica da fisiologia já garante que muitas vezes os atletas não conseguem se recuperar totalmente nem mesmo dois dias após as partidas. Se for atuar mesmo assim, este jogador vai correr menos, participar menos das jogadas e também terá problemas de falta de atenção e na concentração”, explicou.

Adriano também garante que as noites mal dormidas pelas viagens fazem com que os atletas estejam mais propensos a se lesionarem. “O sono durante a noite é crucial porque é o período em que o corpo gera o que nós chamamos de hormônio do crescimento, responsável por regenerar e até mesmo fazer a musculatura crescer. Com as viagens, em sua maioria no período da noite, nossos atletas ficam mais vulneráveis às lesões. Esta falta de sono também gera o estresse, que trás consigo o Cortizol, hormônio do estresse, que queima massa muscular para gerar energia para o corpo, atrapalhando mais ainda os atletas”, revela o fisiologista.

O médico Flávio Freire, do departamento médico bicolor, confirma o que disse o fisiologista Adriano Lima e vai mais além, mostrando que a tendência desta carga excessiva de estresse e lesões pode levar os atletas a encerrarem mais cedo suas carreiras. “O descanso é fundamental para o atleta ter um bom desempenho. Como o calendário é mal organizado e não temos férias, a tendência é que os jogadores tenham lesões sérias. A repetição destas lesões pode levar em médio e longo prazo à diminuição da vida útil do atleta”, apontou.

Freire também revelou para o DOL que o departamento médico do Papão registrou 2,4 lesões por mês durante 2013, número considerado elevado pelo especialista.  Mesmo com todos estes problemas, o Bicola tem que se desdobrar para fugir do rebaixamento para a Série C, se apoiando na força da torcida e no bicho de R$200 mil, prometido pela diretoria para vencer os dois últimos jogos nesta Série B.

O primeiro duelo será contra o Bragantino, às 16h20 do sábado (23), no estádio Mangueirão, em Belém. O jogo final será contra o Sport-PE, às 16h20 do sábado (30), no estádio Ilha do Retiro, em Recife (PE). Acompanhe as transmissões lance a lance destas partidas e todas as informações do Papão no portal DOL e no Twitter @DOLdiarioonline.

(Felipe Melo/DOL)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.