Papão entra em campo às 9h30 para reverter placar

31/01/2014

 

A forte chuva que caiu, ontem à noite, em Tucuruí, impediu que o jogo entre Independente e Paysandu chegasse ao final dos 90 minutos, no estádio Navegantão. Com o gramado alagado, não permitindo que a bola rolasse, o árbitro Joquetan Moreira suspendeu a partida, valendo pela sexta rodada do Campeonato Paraense, aos 6 minutos do segundo tempo. Como determina o regulamento da competição, as equipes voltam a campo hoje, às 9h30, para jogar os 39 minutos restantes da partida de portões abertos ao público.

O Galo começou a partida melhor, dominando o meio-campo e saindo em velocidade para o ataque. O Papão só se defendia, sem esboçar qualquer reação ofensiva. A partida foi assim até aos 13 minutos, quando Airton penetrou pela esquerda, invadiu a área e foi, claramente, calçado por Léo Rosa. Pênalti que o árbitro não deu.

Mas, o ataque bicolor foi apenas um susto ao Galo, que seguiu mandando em campo, principalmente após a saída do volante Capanema, lesionado, para a entrada de Pikachu, que, inexplicavelmente, jogava pelo meio, erro só mais tarde corrigido.

Superior, o time da casa abriu o placar, aos 20, em cobrança de falta de Piauí, com a bola indo no ângulo da meta de Matheus. O gol deixou o Papão mais atordoado. O Galo aproveitou para fazer o segundo. Joãozinho, aos 26, cruzou a bola na área. No primeiro chute Matheus espalmou e, no rebote, Wégno fez 2 a 0.

O Papão acordou no jogo e passou a fazer pressão até conseguir diminuir a desvantagem. Airton recebeu a bola de Héverton, saiu do marcador e do goleiro, batendo para a rede do Galo. Antes do apito final, o Papão, a essa altura melhor em campo, ainda carimbou o travessão do Galo em chute de Héverton.

No intervalo caiu um dilúvio em Tucuruí, deixando o campo impraticável. Mesmo assim o árbitro Joquetan Moreira deu reinício ao jogo. Até que, aos 6, usando o bom senso tardiamente, ele suspendeu o jogo. O apitador esperou por 30 minutos para a chuva passar, o que não aconteceu, provocando o complemento dos 39 minutos restantes da partida para hoje pela manhã, no mesmo local.

Decisão de suspender o jogo agradou aos times

Galo e Papão voltam a campo, hoje, no Navegantão, com as mesmas formações que estavam em campo até a partida de ser suspensa, conforme determinam as regras do futebol. A suspensão da partida agradou a todo mundo. Os bicolores, que perdiam por 2 a 1 até a chegada da chuva, foram os primeiros a pedir a paralisação do jogo. Mas, logo o time do Independente também passou a adotar o mesmo discurso.

O presidente do Papão, Vandick Lima, lamentou o mal tempo em Tucuruí. “Infelizmente essa chuva só vai nos prejudicar, por temos o jogo de domingo (contra o São Francisco) e toda uma programação preparada para a festa do centenário do Paysandu”, comentou.

O técnico Mazola Júnior, por sua vez, parabenizou a atitude do apitador do jogo. “Ele usou do bom senso. Não havia condições nenhuma de o jogo prosseguir”, avaliou. “Seria até um risco para a integridade física dos jogadores a continuidade da partida. A suspensão da partida foi correta”, declarou Mazla.

Entre os jogadores o pensamento era o mesmo de Vandick e Mazola. “Era impossível jogar nas condições em que o gramado estava. O árbitro foi consciente ao suspender a partida”, elogiou o volante Zé Antônio, recebendo o apoio do goleiro Matheus. “Lá atrás não dava para ver nada. A chuva era muito forte”, comentou o arqueiro.

Galo elétrico

O técnico do Galo, Lecheva e seus jogadores lamentaram muito a suspensão do jogo contra o Papão, justamente quando o time do Sudeste do Pará tinha a vantagem de 2 a 1 no placar. Mas todos eles admitiram que o gramado do Navegantão, transformado em uma grande piscina, não oferecia as menores condições para a prática do futebol. Lecheva avaliou como correta a atitude do apitador Joquetan Moreira.

“Estamos conscientes de que o campo não oferece condições. Realmente é inviável jogar num gramado com tanta água. A bola não rola e há o risco de alguém sofrer uma contusão grave”, disse Lecheva, enquanto aguardava pelo recomeço da partida de ontem, o que acabou não ocorrendo.

O volante Chicão foi outro que tomou partido favorável à decisão do árbitro. “Precisamos preservar a nossa integridade física. O melhor mesmo foi ter paralisado o jogo. O árbitro é a autoridade maior e temos de acatar o que ele decidiu de maneira acertada”, concluiu.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.