Advogado diz que Brasília pode não estar irregular

25/04/2014

 

O advogado André Cavalcante usou sua página no Facebook para fazer uma análise do caso envolvendo Paysandu e Brasília na final da Copa Verde. O time alviceleste pede a punição do Brasília-DF, alegando que o meia Gilmar atuou de forma irregular no último jogo da competição, ficando assim com o título da Copa Verde,

Cavalcante já atuou na justiça desportiva do Pará e do Rio de Janeiro e alega que o Paysandu não tem motivos para pedir a anulação do título da competição,  já que o nome do meia Gilmar pode aparecer no Boletim Informativo Diário (BID) até o dia 5 de maio de 2014. Ele ainda explicou como funciona o sistema da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para registro de atletas.

Segundo Cavalcante, o Documento Único de Registro e Transferências-eletrônico, o DURT-e, é um sistema em que as Federações encaminham os contratos dos atletas. O art. 36, do parágrafo 4º, do Regulamento Geral das Competições da CBF Edição 2014, estará disponível 24 horas por dia, todos os dias da semana. O art. 41 do mesmo regulamento, que trata dos aditivos contratuais de um diz, que no caso de renovação de contrato de atleta após encerrado o prazo das inscrições, o atleta terá condições de jogo, não sendo observadas quaisquer limitações de prazo para registro, desde que a publicação do ato de renovação contratual, no Boletim Informativo Diário (BID)  venha a ocorrer em prazo não superior a 15 dias contados a partir da data do termino do contrato anterior.

Portanto, se o contrato do meia terminou no dia 20 de abril, um dia antes da final, ele estará regular se a publicação no BID sair até o dia 05 de maio, ou seja, para o advogado, não existe razão para o Paysandu reclamar a legalidade do título do Brasília-DF.

Para Calvacante, apesar de não conhecer a tese usada pelo jurídico do Papão, pode ter ocorrido um equívoco na leitura de uma versão antiga do Regulamento Geral das Competições da CBF.

(DOL)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.