Mazola em busca de um goleador

26/08/2014

 

Faltando seis rodadas para o final da primeira fase da Série C do Brasileiro, o Paysandu volta a dar sinais claros da falta de planejamento do clube para a disputa da competição. O anúncio do interesse na contratação de um novo atacante, que, segundo o técnico Mazola Júnior, viria para preencher a lacuna deixada por Lima, que se transferiu para o Ceará-CE, chega a causar espanto entre os torcedores bicolores, já que, a esta altura do campeonato, os clubes já estão com seus elencos formados, o que não é o caso do Papão, que este ano já trouxe para a Curuzu um total de 25 atletas.

A procura do novo atacante foi anunciada pelo próprio técnico Mazola após a derrota do último domingo diante do ASA-AL. Como os dirigentes estavam viajando ontem com a equipe, no retorno de Arapiraca, somente hoje é que o presidente Vandick Lima, acompanhado dos dirigentes do futebol do clube, entre eles o gerente Sérgio Papelin, deve tratar mais intensivamente do assunto. O problema é encontrar atacante em disponibilidade no mercado e que esteja não só informa, mas também interessado em aceitar o salário que o clube pode pagar e que não é revelado à imprensa.

Não existe dúvida de que desde a saída de Lima, o time bicolor vem carecendo de um autêntico goleador. O ex-ídolo da Fiel se transferiu para o Vovô Cearense deixando em Belém um histórico dos mais positivos: 21 gols, marcados na participação do Papão no Parazão, Copa Verde, Copa do Brasil e Série C. Ainda que disponha de número satisfatório de jogadores para a posição, Mazola reconhece que não tem, em campo, o retorno que esperava ter desses atletas.

O atacante Dênnis, por exemplo, vinha reclamando da falta de sequência de jogos para poder mostrar serviço. Mas nas últimas três partidas o atleta foi mantido como titular, contudo sua produção ficou muito aquém do que necessita a equipe. O jogador só conseguiu marcar contra o Coxa, passando em branco nas partidas seguintes, com o agravante de deixado escapar, no mínimo, duas grandes chances de balançar a rede no último domingo. Os demais atacantes, Rômulo, Ruan e Jéferson Maranhense não estão sendo aproveitados. Os dois primeiros por estarem lesionados e o último por opção do treinador.

Na volta para casa, mais lamentos e críticas

Depois de uma viagem longa e desgastante, no retorno de Arapiraca, onde o time amargou mais uma derrotada na Série C do Brasileiro, desta feita diante do ASA-AL, o elenco do Paysandu inicia hoje pela manhã, os preparativos com vistas ao jogo de sábado (30), diante do Salgueiro-PE, na Curuzu. A partida é de vital importância para que o time volte a sonhar com a classificação à segunda fase da competição. A tendência é que o técnico Mazola Júnior faça pelo menos uma mudança na equipe que começa a partida, já que o volante Zé Antônio, após cumprir suspensão pelo terceiro cartão amarelo, está disponível para voltar ao grupo.

Os bicolores deixaram Arapiraca após a partida do último domingo, seguindo, de ônibus, para Maceió, onde embarcaram às 14 horas, com o avião fazendo escala em várias cidades até chegar ao aeroporto internacional de Belém. Como já se podia esperar, os bicolores deixaram a capital de Alagoas ainda lamentando o tropeço da equipe frente ao ASA e, também como era previsível, reclamando da não marcação de um suposto pênalti sofrido por Yago Pikachu e não marcado pelo árbitro.

“O árbitro (Cláudio Francisco Lima e Silva, de Sergipe) só nos atrapalhou”, acusou o goleiro Paulo Rafael. “Ele foi um adversário a mais para o nosso time. Eu, mesmo estando longe do lance, lá do outro lá, vi que o Pikachu foi puxado dentro da área. Pênalti claro. E ele não deu”, completou. O lateral-esquerdo Fábio Alves foi outro a disparar contra o apitador, que, segundo ele, “foi mal intencionado”. “A gente já sabia que seria assim, pois no jogo lá na Paraíba (contra o Treze-PB) ele já havia nos atrapalhado também”, detonou.

O zagueiro Charles, além das críticas a Cláudio Francisco, fez comentários sobre a sua atuação. O “xerife” admitiu ter falhado no lance em que o atacante Vanderson mandou a bola para a rede, no único gol do jogo. “Tivemos uma desatenção, particularmente da minha parte. Eu me descuidei no lance e o atacante deles conseguiu marcar”, reconheceu. “Mas o resultado poderia ter sido melhor pra gente se o árbitro tivesse marcado o pênalti sofrido pelo Pikachu. Mas ele não deu, paciência”, concluiu.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.