Paysandu pode não jogar mais em Belém

01/09/2014

 

A mesma situação do início do Campeonato Brasileiro da Série C se repete: voltando de uma suspensão, o Paysandu corre sério risco de ser punido novamente pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por causa de uma garrafa plástica lançada no gramado.

Neste sábado (30), o Papão fez a sua segunda partida pelo campeonato deste ano em Belém, contra o Salgueiro-PE, que também marcou a reabertura do estádio da Curuzu. Porém, a festa foi manchada por um torcedor que arremessou uma garrafa plástica para dentro do gramado, conforme detalhado na súmula do árbitro Wagner dos Santos Rosa.

Reprodução/CBF

Imagem: Reprodução/CBF

O torcedor – um adolescente de 16 anos – foi identificado e o procedimento policial foi realizado ainda durante o jogo. Agora o clube espera o julgamento que será realizado no 4ª Vara da Infância e Juventude.

“Meu estado hoje é de derrota, porque não adianta só ganhar em campo, nós precisamos ganhar como um todo”, desabafou Alberto Maia, diretor jurídico do Paysandu. “Precisamos arrecadar para pagar nossos atletas e pagar a Justiça do Trabalho em R$ 110 mil por mês, uma situação muito delicada. Uma festa bonita de reinauguração da Curuzu e meia dúzia de vândalos faz o que faz. É muito triste.”

O clube ainda não foi notificado pelo STJD. “Acredito que o Paysandu não jogue mais em Belém. A nossa reincidência é muito grande, acabamos de pagar uma condenação e, além disso, é um prejuízo de R$ 30 mil para os cofres do clube”, analisou Maia. “Lamentavelmente acho que Paysandu não joga mais aqui e corre sério risco de no inicio do campeonato do ano que vem não jogue também.”

Faltam apenas cinco partidas da fase classificatória do campeonato e o Papão tem apenas mais dois mandos de campo.

“A vontade que dá na gente é de determinar que nos jogos sejam feitos de portões fechados, que seria a única maneira de não haver mais objetos arremessados dentro do gramado. A gente não sabe mais o que fazer. Eu já dei esse recado e vou dar novamente: uma torcida que prejudicar o clube não se enquadra com as normas da Diretoria de Segurança e, portanto, ficará proibida de entrar no estádio. Esse é o meu pensamento”, concluiu o diretor.

Maia concorre as eleições para presidência do time alviceleste, até o momento apenas a chapa que ele faz parte foi lançada.

REICIDÊNCIA

O Paysandu começou a Série C pagando punição e não jogando dentro de casa. A primeira partida realizada pela equipe em Belém foi na sexta rodada, em maio deste ano contra o Fortaleza-CE. Nesta partida bombas foram lançadas no gramado no estádio Mangueirão, o que rendeu ao clube mais punição e mais jogos longe.

(DOL)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.