Após frustração em empate, técnico do Remo busca recuperar os jogadores para o Re-Pa

19/03/2019

Por Gustavo Pêna — Belém


Márcio Fernandes ainda não venceu ao comando do Remo — Foto: Samara Miranda/Remo

Márcio Fernandes ainda não venceu ao comando do Remo — Foto: Samara Miranda/Remo

O técnico Márcio Fernandes mostrou muita frustração depois do empate do Remo em 1 a 1 com o Independente Tucuruí, neste sábado, pelo Parazão. O treinador comemorou o desempenho do time no primeiro tempo, quando o Leão envolveu o adversário – apesar de poucos finalizar -, mas lamentou a queda brusca da equipe no segundo, proporcionando o crescimento do Galo. O treinador enfatizou o fato dos jogadores que entraram no decorrer da partida – Samuel na vaga de Lailson, Henrique no lugar de Douglas Packer e Fredson no posto de Geovane – não conseguirem manter o mesmo nível dos companheiros que iniciaram o confronto.

– Na reposição não fomos muito felizes, aqueles que entraram não tiveram o mesmo nível dos que saíram, isso prejudicou. Não sei se não entraram ligados, mas não entraram no mesmo nível. Amargamos um empate que, no nosso modo de ver, não estava no prognóstico. Esperávamos conseguir a vitória pelo bom primeiro tempo, onde podíamos ter decidido. Inclusive isso é uma coisa que precisamos reavaliar. Às vezes temos duas chances de matar o jogo, não dá pra ficar desperdiçando. Isso aconteceu hoje.

– A gente fica chateado. Sou uma pessoa vencedora por onde passei, graças a Deus consegui títulos, acessos. Até agora não consegui isso aqui. Hoje tivemos a condição de conseguir a vitória, mas cedemos o empate pra nós mesmos, os erros que cometemos trouxeram o Independente pra cima – disse o treinador.

Jogadores considerados importantes para o elenco remista ficaram de fora do jogo contra o Galo para recondicionar a forma física: o volante Vacaria, os meias Echeverria e Diogo Sodré e o atacante Emerson Carioca. A condição física, aliás, mais uma vez pesou contra o Remo. Márcio Fernandes acredita que o quarteto pode ficar à disposição para o clássico Re-Pa de domingo, dia 24.

– Devem ficar à disposição do comando técnico, que irá avaliar se inicia com esses jogadores ou se mantém os que atuaram hoje. Alguns no meio-campo, como o Djalma e o Packer, estiveram bem, proporcionaram condições de superioridade. No segundo tempo, depois da contusão e do cansaço desses jogadores, caímos de produção. Nenhuma substituição foi tática, mas de ordem física. Atrapalha, pois a gente pensa em alguma coisa pra melhorar a equipe, mas ai substitui seis por meia dúzia pra dar o gás e nem sempre é como se espera. Hoje não foi.

O técnico azulino terá menos de uma semana para recuperar o elenco visando o jogo com o Paysandu. Essa busca por uma melhora deverá ser focada em três fatores: técnicos, físicos e emocionais, para que o Leão possa deixar de lado a desconfiança do torcedor, que vaiou muito o desempenho do Leão contra o Independente.

– Vamos ter uma semana, nem isso, já que chega na sexta-feira e não se pode fazer mais nada, só dar alguns retoques para o domingo, dia do jogo. Acaba não tendo uma semana de tempo para poder realmente resgatar esses jogadores que saíram hoje, meio pra baixo, não esperavam esse resultado pelo que fizemos no primeiro tempo. O empate foi um baque. É levantar o astral e saber que temos um jogo importante no domingo, que possamos reeditar os bons momentos do Remo e ter uma grande vitória

Fonte: globoesporte.com/pa

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.