Ex-presidentes bicolores se reúnem nesta sexta-feira para tentar tirar Paysandu da crise

14/06/2019

Sede social do Paysandu deve ser o local de encontro dos ex-presidentes do clube com o atual, o que não foi confirmado pelo atual mandatário — Foto: Pedro Cruz/GloboEsporte.com

Sede social do Paysandu deve ser o local de encontro dos ex-presidentes do clube com o atual, o que não foi confirmado pelo atual mandatário — Foto: Pedro Cruz/GloboEsporte.com

A reunião dos ex-presidentes do Paysandu com o atual mandatário bicolor, Ricardo Gluck-Paul, acontece nesta sexta-feira, às 11h. O encontro foi anunciado pelo próprio mandatário, que busca a união dos bicolores para tirar o Paysandu da crise.

A surpresa na reunião vai ser a presença de Luiz Omar Pinheiro (LOP), que não faz parte do grupo “Novos Rumos” (atual “Pra Sempre Fiel”) e comanda o clube desde 2013, quando o ex-jogador e ídolo bicolor Vandick Lima assumiu a presidência do Papão. LOP passou os últimos anos criticando as gestões do clube e sempre prometeu voltar a disputar as eleições do clube.

Luiz Omar Pinheiro confirmou presença na reunião — Foto: Cristiano Martins/O Liberal

Luiz Omar Pinheiro confirmou presença na reunião — Foto: Cristiano Martins/O Liberal

Vandick, inclusive, já confirmou presença na reunião, que terá também Alberto Maia, Rui Sales e Ricardo Rezende. Tony Couceiro, antecessor da atual gestão, não participará por estar em viagem, enquanto o motivo da não participação de Sérgio Serra não foi divulgado.

O encontro do atual com os ex-presidentes é uma tentativa de buscar soluções para a crise que se instalou no clube nos últimos anos. Em 2015 o clube não conquistou nenhum título, mas teve uma boa campanha na Série B, com o acesso para elite do Campeonato Brasileiro ficando no “quase” – o Paysandu foi o 7° colocado. No ano seguinte a equipe venceu o estadual e a Copa Verde, mas não teve um bom desempenho na segunda divisão nacional, ficando na 14° posição.

Já em 2017 o clube foi bicampeão paraense, mas ficou com o vice-campeonato da Copa Verde e terminou em 11° da Série B. No ano passado o clube perdeu o título do estadual para o maior rival, foi campeão da Copa Verde e terminou a temporada rebaixado para a Série C.

Este ano a equipe segue colecionando fracassos no futebol profissional. Terminou o Campeonato Paraense na quarta colocação e iniciou a Série C com desempenho bem abaixo do esperado. A equipe está há sete jogos sem vencer, sendo cinco só na terceira divisão.

Se já não bastasse o mal desempenho dentro das quatro linhas, o Paysandu também não vem bem fora dos gramados. Os salários dos jogadores e funcionários, que eram pagos todos em dia, voltou a atrasar na Curuzu (parte dos salários do mês de maio ainda não foi pago). Processos de ex-jogadores voltaram a acontecer, também, e o clube tenta negociar dívidas que estão sendo pagas, mas com dificuldade.

Recentemente o presidente Ricardo Gluck-Paul revelou em entrevista ao repórter Agripino Furtado, da Rádio Liberal FM, que o clube está devendo uma das fornecedoras da marca Lobo.

– Um desses (fornecedores) é a Bomache, que nós temos uma dívida histórica, que não é desse ano e nem do ano passado. Ela vem se acumulando na verdade. Fizemos uma negociação lá atrás, passou por uma nova negociação e estamos buscando a melhor solução para resolver – explicou Ricardo.

Ricardo Gluck Paul admite "dívida histórica" com uma das fornecedoras da marca Lobo — Foto: Cristino Martins/O Liberal

Ricardo Gluck Paul admite “dívida histórica” com uma das fornecedoras da marca Lobo — Foto: Cristino Martins/O Liberal

Com a queda para a terceira divisão do brasileiro, o Paysandu deixou de receber cerca de R$ 9 milhões. O fato fez com que o clube tivesse que demitir funcionários e enxugar gastos. O centro de treinamento, inclusive, está com as obras paralisadas por falta de verba.

*Bruno Amâncio, sob supervisão de Pedro Cruz.

Por GloboEsporte.com* — Belém (PA)

Deixe uma resposta

Você precisar fazer login para comentar.